07
Jul 21

Seara de vento.jpg

De Manuel da Fonseca

 

             O Escritor Manuel da Fonseca, um dos maiores nomes literários do Alentejo, publicou o romance neo-realista Seara de Vento em 1958, sobre o acontecimento verídico que ocorreu na aldeia da Trindade, facto marcante para a população e de inspiração para o seu livro, o assassinato de António Dias Matos, operário agrícola, no lugar de Cantinho da Ribeira.

           Seara de Vento, obra famosa pela apreensão de aspetos da vida dos camponeses no plano da ficção, em que o tratamento da antinomia cidade-campo é bem diverso do uso tradicional. A obra, dentro da estética neo-realista, é ainda notável porque nela o próprio sentimento da morte passa a segundo plano em face de uma realidade social insustentável do ponto de vista humano. Mas não apenas na temática o neo-Realismo introduziria inovações na estrutura tradicional do romance. Também no modo de apresentar as personagens, talvez por influência da técnica de montagem cinematográfica, elas se apresentam a si próprias, pelo método implícito ou dramático.

         Seara de Vento é, sem dúvida, uma das obras literárias portuguesas mais bem conseguidas do século XX. O seu valor está longe de ser estritamente documental ou de mera erudição para os que estudam as correntes literárias mais importantes da escrita ficcional portuguesa do século passado.

          Na verdade, Seara de Vento vale, em simultâneo, pela sua temporalidade e pela sua intemporalidade. em Seara de Vento, Manuel da Fonseca descreve um episódio ocorrido em 1932, numa aldeia do concelho de Beja. O assassinato de António Dias Matos, operário agrícola, pelas autoridades.

         Seara de Vento é a demonstração viva de um cenário de fome, humilhação e privação nos campos do Sul de Portugal na primeira metade do século XX e é exemplarmente retratado por Manuel da Fonseca.

            Manuel da Fonseca trabalha a palavra com mestria, criando tipos psicológicos interessantíssimos. Neste quadro avulta a sogra de António (na narrativa, o Palma), Amanda Carrusca: símbolo de uma saudável desconfiança em relação aos senhores da terra e de uma dignidade humana profunda contra a sua condição de profunda privação e miséria. Mas Amanda Carrusca provavelmente, a personagem com o perfil psicológico mais trabalhado não é apenas o símbolo do Alentejo do início dos anos 30, o Alentejo da fome e da miséria. Ela é a simbologia de um operariado que ainda não tinha aprendido a confiar em si mesmo na luta contra as injustiças. Ao contrário, a neta Mariana é a porta-voz de um dado novo nos campos alentejanos: as reuniões às escondidas na vila.

          Esta é a grande lição de intemporalidade conferida por Manuel da Fonseca à sua obra, uma obra, diga-se, perversa e marginalmente esquecida pelos media de referência controlados pelo grande capital. O condenar dessa obra magna ao esquecimento pela intelectualidade burguesa ignorante, pretensiosa e arrogante reflete precisamente o carácter temporal/histórico e simultaneamente intemporal de Seara de Vento.

publicado por José Pereira Malveiro às 22:07

Julho 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
17

18
21
22
23
24

25
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO