21
Nov 19

O Cavalo na Quinta da Estação de Garvão

          Numa das paredes interiores que rodeiam “A Quinta”, na estação de Garvão, até há relativamente pouco tempo ainda se notava a pintura, em tamanho real, de um cavalo, (na parede à esquerda de quando se entra pelo portão, diante da ponte da Estação), e ás perguntas mais curiosas de quem o terá feito? a resposta era sempre a mesma, de que “foram os militares quando lá estiveram”, sem contudo precisar quais ou quando.
          Na memória da população, nos anos sessenta do século passado, não havia lembrança da presença de militares neste local, ou da permanência prolongada destes que se pudessem identificar com a referida pintura, pelo menos durante o século XX.
         O que se sabe, é que pelas lutas liberais do século XIX, o exército do Duque de Terceira, apoiante da causa liberal, depois do desembarque da expedição liberal em Cacela, no Algarve, em 24 de Junho de 1833, pernoitou em Garvão de 14 a 17 de Julho de 1833, na sua caminhada rumo a Lisboa a qual tomou em 24 de Julho de 1833, sem qualquer oposição, depois do Duque da Terceira ter desbaratado as tropas inimigas, comandadas pelo brigadeiro absolutista Telles Jordão, na margem esquerda do Tejo, no que ficou conhecido como os combates da Cova da Piedade e de Cacilhas.1

 

Destes consta que a Divisão Expedicionaria, tendo deixado completamente tranquilo o Algarve, sahira no dia 12 de S. Bartholomeu, viera pernoitar a S. Marcos, donde sahindo o dia 13 viera ficar a Stª Clara, e no dia 14 a Garvão. Neste ponto fez a junção com ella a Brigada de Artilharia que partira de Faro com esse destino, e no dia 17 partio o Duque para Messejana, donde datou os últimos despachos.2

        

        Sabe-se igualmente que antes da chegada a Garvão do Duque da Terceira,3 o comandante das tropas absolutistas, encarregado da defesa do Alentejo e Algarve, Visconde de Molelos,4 tinha ou teve por alguns dias, o seu quartel-general em Garvão.

 

No mesmo dia 3 de Julho vim no conhecimento de que o General Mollelos se tinha retirado por S. Martinho das Amoreiras até Gravão, onde convergem as estradas, que vem do Algarve por Almodovar e Ourique, e por Santa Clara, a ultima das quaes o inimigo tinha devastado na sua passagem com huma barbaridade verdadeiramente atroz.5

 

No dia 4 o Visconde de mollelos officiou do seu Quartel General em Garvão, pedindo quanto antes gente, dinheiro, e polvora, por quanto se achava só, cercado de rebeldes, e sem meios nenhuns para se defender.6

 

          Sabe-se assim que tanto as forças absolutistas do rei D. Miguel, como as forças liberais afectas a D. Pedro, durante alguns dias fizeram quartel em Garvão. Ficando esta “Quinta” junto à Estrada Real do Algarve, não nos poderá surpreender que pernoitassem neste lugar, pelo menos algumas forças mais importantes, protegidas pelos muros altos da “Quinta”, caso já existissem por esta altura.
         Quanto à pintura do cavalo, numa das paredes interiores da “Quinta”, teria o seu interesse em se tentar identificar a origem dessa pintura e a possível relação com estes militares e com este período conturbado da história portuguesa nesta parte do Alentejo.

 

1 - Joaquim Telles Jordão, brigadeiro absolutista, foi reconhecido como o odioso comandante da prisão de São Julião da Barra, lugar de detenção dos presos liberais. A forma violenta com que tratou os presos, com cruéis abusos e torturas, mereceram o repúdio e ódio dos liberais e foi morto a golpes de espada pelo coronel liberal Romão José Soares.

2 - Chronica constitucional do Porto, Volume 3. 1833. P. 101.

3 - Marechal António José de Sousa Manuel de Meneses Severim de Noronha, 7.º Conde de Juro e Herdade, 1.º Marquês de Vila Flor e 1.º Duque da Terceira.

4 - O Visconde de Molelos, recebeu o título de barão em 17 de dezembro de 1815. Secretário militar de D. Miguel, era governador do Algarve com a patente de marechal-de-campo quando se verificou o desembarque dos liberais em Cacela, a 24 de junho de 1833. Devido a um erro tático permitiu o seu avanço sobre Lisboa, onde entram a 24 de julho desse ano, o que se tornou fatal para a causa miguelista. Morreu na sua terra natal a 7 de dezembro de 1852.

5 - Chronica constitucional do Porto, Volume 3. 1833. P. 178.

6 - Chronica constitucional do Porto, Volume 3. 1833. P. 68.

 

publicado por José Pereira Malveiro às 07:05

Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO