14
Jun 18
 

CENTENÁRIO

“O famigerado heroi do Crime Grande da Estação do Rocio”

GARVÃO II

Parte 4 (de dez)

 

          Tendo saído de Garvão com 16 anos para ingressar no exército em 1910, volta a Garvão seis anos depois em 1916, com 22 anos de idade, conciliando a actividade de lavrador com comerciante. Casa com Maria do Rosário Pereira Costa, de famílias de São Martinho das Amoreiras, de quem não houve filhos, herdeira de bens fundiários, doravante administradas pelo marido.

          Propriedades estas que foram sendo paulatinamente vendidos pelo marido, não só para as suas despesas familiares, mas inclusivamente para manter as suas aspirações tauromáquicas, assim como algumas obrigações sociais na sua terra natal e ajudas monetárias aos camaradas em dificuldades.

          José Júlio da Costa estaria de facto envolvido na vida social da vila. Inconstante a raiar a imprudência segundo uns, benemerente ao ponto de se endividar segundo outros, pouco se conhece sobre esta sua faceta social, a sua façanha obliterou quaisquer outros aspectos da sua vida privada que eventualmente nos poderiam auxiliar a ajuizar de uma forma mais consistente a sua mentalidade.

          Contudo, pelo que chegou até nós, as suas funções como politico e/ou presidente da Junta de freguesia[1] e o seu temperamento tempestivo e de alguma voluntariedade deveriam de acarretar algumas despesas, não só a actividade do teatro descrita por José dos Reis Sequeira, mas igualmente a solidariedade e a partilha com as pessoas, segundo a afirmação de um sobrinho[2], “A fortuna da mulher, ao nível das terras, estava em liquidação, porque eles tinham vendido, boa parte do património tinha sido vendido, tinha sido convertido exactamente nessa actividade dele, desde a tauromaquia à solidariedade, à partilha que ele tinha com as pessoas, e com o pagamento de despesas.”[3]

          Igualmente Rocha Martins, cuja antipatia por José Júlio da Costa ficou bem explanada nos seus Fantoches, menciona, em Sidónio Pais - Ídolo e Mártir da Republica, as esmolas dadas por este que o levava a arruinar-se, “(…) tem a vaidade excessiva que o leva a arruinar-se em esmolas para atrair a estima pública (…)”[4]

          Será neste período que José Júlio da Costa protagoniza a maior parte das peripécias porque ainda hoje é recordado na vila de Garvão e desenvolve uma actividade politica, com as exaltações e frustrações daí inerentes que afectavam o seu exaltado espirito.

          Irrequieto, não seria a vida de casado que o iria acomodar ou os negócios familiares que o sossegariam, tanto cavalgava até Ourique, sede administrativa do concelho, onde se intrometia na vida política concelhia, como apanhava o comboio para Lisboa onde se imiscuía e participava na vida política nacional[5].

          Não será difícil imaginar José Júlio da Costa, devido ao seu feitio arrebatado e encarniçado, em discussões empolgadas e impetuosas a incentivar os seus companheiros a tomarem acções decisivas. A sua militância política junto dos círculos políticos republicanos dos democráticos de Afonso Costa, com os quais se identifica e junto da sede do concelho, onde durante o consulado Sidonista teria sido nomeado pelo administrador do Concelho para presidente da Junta de Freguesia de Garvão[6], terá pesado decididamente na sua decisão em matar Sidónio pais.

          Cargo esse que estaria de acordo com o sentimento político da altura e segundo o exemplo do seu herói da Rotunda de 1910, Machado Santos e de outros republicanos e sindicalistas em dar cobertura, neste início de governação, a Sidónio Pais.

 

[1] José dos Reis Sequeira, Relembrando e Comentando (memórias de um operário corticeiro) 1914/1938, edição da Regra do Jogo, 1978.

[2] Joaquim Pereira da Costa, sobrinho de José Júlio da Costa, in: O Homem Que Matou Sidónio Paes. Realização Bruno Niel. Produção Valentim de Carvalho SA. 2008. Exibido na RTP 1 em 13 de Dezembro de 2008.

[3] “O José Júlio da Costa casou há tempos com uma senhora viúva, que tem uma fortuna avaliada em trinta contos.” O Século de 16 de Dezembro de 1918.

[4] Rocha Martins, 2008, p. 384.

[5] “Vinha frequentes vezes a Lisboa, onde levava uma vida de boemia, conhecendo-se-lhe até algumas amantes. (…) É conhecido nas casas de jogo de Lisboa, tendo-se-lhe ouvido dizer há pouco tempo que «no dia em que lhe faltar o dinheiro, havia de dar que falar” O Século de 16 de Dezembro de 1918.

[6] José dos Reis Sequeira, Relembrando e Comentando (memórias de um operário corticeiro) 1914/1938, edição da Regra do Jogo, 1978.

 

In: José Pereira Malveiro, José Júlio da Costa - O Famigerado Herói do Crime Grande da Estação do Rocio, Garvão, 2018. (no prelo)

publicado por José Pereira às 21:20

Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO