06
Jan 20

cemiterioantigocadastro.jpg

Mapa Cadastral do local do Cemitério Antigo 

cemiterioantigo2.jpg

Fotografía área do local do Cemitério antigo, notando-se a parede virada a poente

Cemitério antigo no mapa de.jpg

Segmento da foto aérea de 1947. Centro de informação Geoespacial do Exército.

 

Junto ao Moinho
          O conhecimento deste Cemitério chega-nos através da tradição oral da população mais idosa da Vila de Garvão, consubstanciado tanto pela presença de alguns vestígios no terreno ainda visíveis nos anos sessenta do século passado, como pelo registo cadastral nacional da área, (secção F da freguesia de Garvão), o acesso a este Cemitério fazia-se pelo "Furadouro" por caminho próprio, ainda hoje visível no terreno.
          Mais tarde o caminho passou a ser feito pela Estrada Real, logo a seguir às últimas casas do lado esquerdo à saída da vila. O proprietário do terreno circundante, até à década de oitenta do século XX, pagava anualmente à junta de freguesia de Garvão, renda pelo uso desse espaço.
          Sobre este cemitério e a questão de quando esteve em uso, sem a devida intervenção arqueológica no terreno é difícil de determinar, contudo tendo em consideração ainda estar na memória dos mais idosos e com o Cemitério Velho situado a cerca de cem metros de distância e com ocupação comprovada desde a idade média, teremos de considerar várias suposições.
          Ou o Cemitério Velho, devido a um número invulgar de defuntos, não tinha condições para suportar tantos enterramentos, como se observou durante o flagelo conhecido como pneumónica (ou gripe espanhola) que devorou cerca de 60.000 vítimas nacionais (cerca de 1,08% da população),1 e procedeu-se a alguns enterramentos neste local.2
          Ou até mesmo, a população receosa dos efeitos de contágio desta gripe, preferiram enterrar as vítimas num local mais afastado da vila.
          Ou, mesmo sem o aumento do número de mortes provocado pela pneumónica, o Cemitério Velho precisava de ser ampliado, como veio a acontecer e se nota nas várias fases construtivas deste cemitério.
          Devido à lembrança que ainda existia na população sobre este cemitério, leva a crer que esteve em funcionamento nos princípios do século XX.

 

1 Laurinda Abreu e José Vicente Serrão, apontam para 117 764 mortos causados pela pneumónica, no espaço de apenas um ano, in: Revisitar a Pneumónica de 1918-1919, na revista “Ler História”. Nº 73, 2018.
2 Existe notícias, deste período, em que os Governadores Civis informavam o governo de enterramentos em campa rasa devido ao Cemitério estar cheio, devido ao elevado número de mortos, caso de Faro. In: José Manuel Sobral e Maria Luísa Lima, A epidemia da pneumónica em Portugal no seu tempo histórico, revista “Ler História” Revisitar a Pneumónica de 1918-1919, nº 73, 2018.

publicado por José Pereira Malveiro às 23:03

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Janeiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
15
16
17
18

19
20
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO