27
Mai 18

Brasão2.jpg

 BRASÃO 

          No livro Garvão – Herança Histórica, de 1993, (p. 66), sobre o Brasão da Casa da Câmara de Garvão, consta: “ainda em 1992, aquando da caiação da Casa da Câmara, o brasão foi pura e simplesmente caiado por cima como se não existisse. Contudo, a sua maior mutilação ocorreu pela implantação da república, em 1910, quando um fervoroso republicano de nome Caetano Rosa, armado de escopro e martelo, começou por danificar o brasão e mais não destruiu porque alguém, adepto da monarquia, lhe tirou a escada onde se encontrava empoleirado.

          Acontecimento este relato pelo antigo regedor da Freguesia de Garvão, Francisco Zacarias, ao autor do mencionado livro.

          Contudo, agora pela mão do Professor António Martins Quaresma, no jornal do Sudoeste de 16/11/2017, relata outro acontecimento sobre a danificação do referido brasão.

          Segundo informação do saudoso Joaquim Maurício da Conceição Rosa, presidente da Junta de Freguesia de Vale de Santiago pós vinte e cinco de Abril, existe outra personagem que procedeu, igualmente, à sua mutilação, desta vez o próprio avô de Joaquim Maurício.

          Outra história que ele gostava de contar tinha como protagonista o seu avô, Jacinto Pereira Rosa, fervoroso republicano, que ajudado por um maquinista dos comboios, decidiu, após a implantação da República, picar a pedra de armas existente na frontaria do edifício da antiga Câmara de Garvão (então escola), por a considerar incompatível com a nova situação política. Criticado pelo governador civil de Beja, do Partido Unionista, que o admoestou por ele ter destruído uma obra tão antiga, o avô do Maurício respondeu que também a monarquia era antiga e tinha sido, muito felizmente, deitada abaixo. Face à lógica da resposta, o governador civil embatocou. Hoje, continuamos a ver a pedra de armas picada, na parede da Junta de Freguesia de Garvão, e lamentamos um pouco o seu arrebatamento, próprio dos tempos que então corriam.

publicado por José Pereira às 21:04

O escudo do antigo brasão da vila de Garvão evidencia ainda elementos de suporte à dextra e à sinistra de ramos ostentando cada um o Triskle de origem celta, o símbolo que sintetiza a sabedoria dum povo.
Garvão tal com Panoias são povoações de origem celta, e os seus brasões são testemunho disso!

José Maria Ferreira - 1/11/2018
Anónimo a 1 de Novembro de 2018 às 21:25

Caro José Maria Ferreira

É sempre um prazer ler os seus comentários. A parecença das duas imagens nos cantos inferiores do brasão e no fim dos ramos laterais, entendi, entre outras hipóteses, como uma influência dos desenhos das capas de foral manuelinos.

Contudo o contrário também pode ser verdade, (as capas dos forais manuelinos terem tirado a ideia dos antigos brasões), nem se pode entender que dito brasão não seja muito mais antigo do que isso.

A ideia do Triskle celta, de três círculos em espiral é sem dúvida atrativa, mas ainda não arranjei ligação à imagem de quatro círculos, como aparece no brasão de Garvão.
José Pereira a 2 de Novembro de 2018 às 09:48

Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO