11
Jan 20

Placa no Castelo de Ourique.jpg

PLACA NO MIRADOURO DE OURIQUE

 

Castelo-Ourique[1].jpg

CASTELO DE OURIQUE. (Foto de 1930)

 

          Quem é que não quer ter um castelo?
          De preferência romano ou árabe.
          Com torre de menagem e albarrã, muralhas, adarve e barbacã.
          De conquistas e reconquistas.
          De cavaleiros intrépidos e princesas mouras encantadas.
          Se não se tem, inventa-se.
          E, coloca-se uma placa, toda bonita, a dizer que isso aconteceu.

 

CASTELO DE ORIK
Foi aqui neste lindo
Miradouro rico em belezas
Paisagísticas sem par
Que os Árabes no Ano de
711 edificaram o
Castelo de Orik

 

          Só que os Árabes em 711, ainda estavam a atravessar o estreito.
          Em 713 ainda estavam em Faro.
        E o castelo já estava construído. Pelo menos, segundo alguns autores seria um antigo castro romanizado.
          Não seria Tárique ibn Ziade (طارق بن زياد, para quem souber árabe), o general árabe invasor, (que por acaso era bérbere), que o construiu.
          Esse deu o nome às Colunas ou Pilares de Hércules, (Ἡράκλειαι Στῆλαι, para quem souber Grego), no ano de 711, ao qual, de então em diante, passou a ser denominado Jabal Tarique, para o rochedo conhecido hoje por Gibraltar e Estreito de Gibraltar para aquela língua de água que separa os dois continentes.
          Atravessado as platónicas Ἡράκλειαι Στῆλαι, (lê-se Herakleiai Stelai), a convite de uma das partes do reino Visigodo em luta pela coroa, em poucos anos assenhoraram-se da Península e nos anos seguintes a 711, completaram a conquista do território que viria a ser o reino de Portugal.
           Ter os vestígios de um castelo é bonito.
           Ainda mais, associado à história de Portugal.
          Só que o que restava do castelo de Ourique foi arrasado na segunda metade do século XX.
          Mas fizeram um lindo Miradouro.
          O que se perdeu em arqueologia, ganhou-se em betão.
          Mas, “sem dúvida”, Rico em belezas paisagísticas sem par.
          O que se perdeu em história, ganhou-se em demagogia.
         Tal como os silos descobertos em Ourique.
         É para ignorar e tapar.
         Como se não houvesse alternativas.

publicado por José Pereira Malveiro às 23:27

Janeiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
15
16
17
18

19
20
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO