28
Mai 19

Deo Vot.jpg

Muro Desaba Para Dentro Do Depósito Votivo

          Uma secção do muro que protege as intervenções arqueológicas neste local, desabou para dentro do próprio recinto, cobrindo parte das valas e vestigios arqueológicos que lá se encontravam.
          Recorde-se que a descoberta do Depósito Votivo em Garvão, no seguimento da abertura de valas para o saneamento público da vila, em Maio de 1982, mereceu a intervenção de reputados arqueólogos, nomeadamente Caetano Mello Beirão, Mário e Rosa Varela Gomes, Carlos Tavares da Silva e Joaquina Soares e amplamente difundido pelos orgãos de comunicação social da altura, com a descoberta de milhares de peças em metal e cerâmica que se encontram no Centro de Arqueologia Caetano Mello Beirão em Ourique.
           Esta descoberta poderia ter catapultado a intervenção arqueológica e a investigação histórica de Garvão para outros patamares, com criação de empregos, núcleos museulógicos e toda uma dinâmica económica que se repercutaria na demografia da terra.
          Tal não veio a acontecer e a diminuição da população de Garvão que se tem vindo a sentir nas últimas décadas, não pode deixar de estar relacionada com o não aproveitamento destas oportunidades, ou de outros incentivos capazes de travar o despovoamento progressivo da vila que, infelizmente, a Fábrica de Enchidos e a Unidade de Cuidados Continuados, construídos nos últimos dez anos, criando dezenas de empregos, não travou.
          Contudo, não será a intervenção arqueológica e a investigação histórica na vila de Garvão que irá, por si só, inverter esta tendência populacional, mas poderá, à sua medida, contribuir, aliada com outras iniciativas, para travar a desertificação que actualmente se mantém.
Em 1950, Garvão tinha 2282 Habitantes.
Em 1960, 1821 Habitantes.
Em 1970, 1167 Habitantes.
Em 1981, 1213 Habitantes.
Em 1991, 938 Habitantes.
Em 2001, 851 Habitantes.
Em 2011, 730 Habitantes.
          Prevê-se iguamente uma diminuição da população, no próximo recenceamento nacional, a realizar em 2021.

publicado por José Pereira Malveiro às 00:02

09
Mai 19

E o livro de Virgínia Rau

          Actualmente a menção mais antiga que se conhece sobre a feira de Garvão, aparece no livro da Misericórdia e do Sagrado Espírito Santo de Garvão, onde surge uma petição ao paço, datada de 22 de Maio de 1734, para: lhes ser autorizado cobrarem o terrado aos feirantes para poderem prover para as despesas do hospital que são muitas e não têem rendimentos. Tendo sido autorizado, por D. João V, em 14 de Maio de 1740.
          Esporadicamente surgem notícias, sobre a feira de Garvão, nos livros das ordenações régias, na Torre do Tombo em Lisboa. Uma pesquisa, mais profunda, nesses livros iria trazer novos dados sobre esta feira.
          Contudo a falta de menção, sobre a feira em causa, no livro de Virgínia Rau, As Feiras Medievais Portuguesas, publicado em 1943, mas que continua, ainda hoje, a ser uma obra de referência, no estudo das feiras em Portugal, não implica que a feira de Garvão, não existisse nos tempos medievais.
          O estudo da autora está limitado aos séculos XIII, XIV e meados do século XV e incide essencialmente, sobre as feiras que tiveram cartas de feira régias, como menciona na página 59 da mencionada obra. Daí não mencionar as feiras existentes que não foram agraciadas com a carta de feira, ou que se vieram a constituír depois, como a feira de Castro Verde instituída em 1620.
       De facto, apesar do título bastante generalista, As Feiras Medievais Portuguesas, peca por se limitar às feiras consagradas nesses éditos reais e uma falta de estudo, nas diversas localidades que permitiria avaliar de uma forma mais concisa, os vários eventos mercantis que se realizavam de Norte a Sul do país.
         Não se justifica que no mencionado livro, no Baixo Alentejo, do século XIII ao século XV, só existissem seis feiras, Beja em 1261, Alvito em 1295, Moura em 1302, Borba em 1315, Ourique em 1288, (atribuída dois anos antes da própria carta de foral) e Alcácer em 1439 e no Algarve somente uma em Loulé em 1291.
          O que de facto estas datas indicam, é o ano da atribuição das cartas de feiras pelos monarcas, ignorando, a autora, todo o circuito mercantil que se operava no reino por esta altura, ou que não ponderasse sobre a evolução das normas e devidos eventos mercantis explanados nas cartas foralengas ou, até mesmo, na evolução dos as-souq muçulmanos para os açougues cristãos pós-reconquista.
          Esta interpretação por parte de alguns investigadores, de que não havia feiras em Portugal para além daquelas mencionadas por Virgínia Rau, ou que estas se limitavam às que a autora mencionou, tem induzido em erro a percepção da realidade socio-economica medieval, pelo menos no que se refere a estes concelhos do interior do país, como se alguns dos outros eventos mercantis em Portugal não fossem considerados feiras, ou que alguns dos mercados concelhios, não tivessem evoluido para certames de maiores dimensões.
          A actividade mercantil em Garvão, surge na carta de foral de 1267, tanto na protecção dos mercadores, como no capítulo das portagens a pagar pelos mercadores pelos produtos transacionados, assim como na carta de foral-novo de 1512. A diferença entre mercados e feiras nestes tempos era ténue e não se poderá ignorar a evolução destes primitivos lugares de trocas, nem a evolução histórica que se tem registado tanto nos concelhos, como no país.
          Devido ao valor a pagar pelas cargas de produtos, mencionadas na carta de foral, em dorso de cavalo ou de burro e à escassez da população, para tamanha quantidade de produtos, estes valores teriam de ser diluídos em eventos de grande afluência da população e forasteiros, não compatível com a realização de mercados diários, semanais ou mesmo mensais.
          A falta, na lista destas portagens, de produtos hortícolas ou de primeira necessidade, (trigo ou outros cereais para o pão, vinho, mel, etc), mostra igualmente que estes produtos estariam disponíveis à população numa base mais frequente, diária ou semanal.
          A referida petição, no livro da Misericórdia, de 1734, para a Santa Caza, cobrar o terrado da feira, justificava-se: (...) porque na dita Villa se fazia huma Feira, em aqual quando tivera principio senão puzera as pesoas que a formavão e hião vender suas mercadorias apensão de pagarem cada huma dellas asento, ou terrado como leva uso e costume pagarse nas mais feiras daquella vizinhansa (...) Fólio 3.
          Podemos assim entender que nos anos anteriores a 1734, já se realizava a feira em questão. A menção ao terrado, nesta altura, está em conformidade com o que se seguia no resto do reino, pois nem a autora Virgínia Rau menciona tal na sua obra, nem se encontra registos à cobrança do terrado ou terradego, antes do século XV/XVI, noutras feiras. 
          Assim a menção, aqual quando tivera principio, podemos entender como fundada antes da instituição da cobrança do terrado e a não inclusão no livro de Virgínia Rau, como uma feira à qual não foi atribuído carta de feira.
          Assim como existe registo para a fundação da feira de Castro Verde, (de facto transferida da feira de Santa Bárbara dos Padrões), também, se a feira de Garvão tivesse sido fundada, nesta altura de grande acervo documental, também estaria documentada.
      A actual feira de Garvão, terá evoluido, naturalmente, a partir das actividades mercantis e dos mercados concelhios que as cartas de foral nos dão indicações da sua existência e o que a singulariza, como sobrevivente desses tempos, é a componente pastoril/pecuária que a enforma e lhe dá vida.
        A centralidade geográfica da feira de Garvão no contexto pastoril/transumância do Campo de Ourique e temporal no final do ciclo mais fecundo do pastoreio, terá contribuido fortemente para a afirmação desta feira, senão foi, de facto, o motivo principal de ajuntamento de pastores, negociantes e população em geral.
          Se era na vila de Entradas que estes rebanhos transumantes, desde os séculos anteriores à nacionalidade, vindos das regiões montanhosas a Norte, faziam a entrada nestes pastos a Sul e se era na vila de Messejana que estava instalado o tribunal dos verdes montados para redimir as contendas, era na feira de Garvão, no final do ciclo pastorício que os pastores se reuniam para renovação dos rebanhos e os comerciantes e negociantes se abasteciam de carne.

publicado por José Pereira Malveiro às 00:40

Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO