02
Nov 17

Ó Laurinda Linda Linda
          Tem desenvolvido o jornal de Garvão a temática do relacionamento inter-cultural entre várias sociedades, nomeadamente a similaridade entre a denominada “Dança de Garvão”, evidenciada na Dança do Mastro, Dança dos Arquinhos ou na Dança das Voltas, com outras danças que se observam em várias partes da Europa, nomeadamente aquelas de influência Celta e a Dança dos Morris na Inglaterra, cujos paralelismos se encontram igualmente nesta zona do Alentejo, evidenciada nas Danças das Espadas e dos Guizos.
          Não deixa, também, de se poder confrontar outras manifestações culturais, cujas similaridades, nos revertem para a mesma origem inter-europeia, sejam elas na área da dança, na área da música, ou inclusivamente, na área da poesia popular.
          Se esta semelhança se observa na área da música e da poesia, uma dessas canções é a denominada, "Ò Laurinda, Linda, Linda", originária da zona de Monchique e que consta da recolha nacional, para a RTP e amplamente difundida, efetuada por Michel Giacometti e Fernando Lopes Graça, em 1962, no monte da Casa Velha, Alferce*. A partir desta divulgação
, o intérprete de música popular alentejana, Vitorino, também a divulgou, apesar de, inexplicavelmente, ter substituido “Feira de Garvão”, por “Feira de Marvão”, à revelia da história original desta música, da sua origem e do contexto social que a originou.
         
Sobre o paralelismo com outras regiões, não deixa de ser interessante o artigo, abaixo descrito, de José Joaquim Dias Marques da Universidade do Algarve, sobre a similaridade entre a cantiga popular, “Ó Laurinda, Linda, Linda”, a qual descreve as imaginativas respostas da esposa adultera, que dá título á cantiga, quando o marido regressa da feira de Garvão e a cantiga escocesa “Our Goodman” e a irlandesa, “Seven Drunken Nights”, numa situação igual, em que o marido bêbado, confronta a esposa numa situação de infidelidade.
         
“A balada portuguesa Laurinda e a balada escocesa Our Goodman pertencem a um grupo de baladas existentes em muitos países europeus que estão sem dúvida geneticamente relacionadas.
         
A base de todas elas é o tema da mulher adúltera e esperta, surpreendida quase em flagrante pelo marido quando este volta de viagem. Este tema é desenvolvido através duma série de perguntas do marido sobre peças de roupa ou outros objectos que ele inesperadamente encontra ao regressar a casa e através duma série de respostas imaginativas da mulher, tentando escapar a ser desmascarada.
         
Embora contem a mesma história, estas baladas apresentam diferenças próprias dos textos da tradição oral. A balada escocesa aborda o tema do adultério de modo meio cómico, fazendo com que o marido regresse a casa bêbado e dando à história um final aberto, que poderá ser visto como um final feliz ou, pelo menos, sem conflito.
         
Por seu lado, a balada portuguesa leva o tema muito a sério, terminando a história com a decisão do marido de se separar da adúltera. Nalgumas versões da balada portuguesa, o marido diz mesmo que irá devolver a adúltera ao pai dela, “para que ele veja a mulher que me entregou”.
         
Repare-se, de qualquer modo, como estas baladas mostram um entendimento igual da questão do adultério: o problema está no adultério da mulher, pois é a mulher que a sociedade vê como devendo ser fiel. Pelo contrário, nos textos orais não costuma aparecer (ou aparece muito, muito raramente) a questão da fidelidade do marido, parecendo encarar-se o adultério masculino
como algo desculpável e, até, natural."

José Joaquim Dias Marques (Universidade do Algarve)
http://seeingstories.eu/index.php/bridges-lisbon-edinburgh
* https://www.youtube.com/watch?v=FP7VsdIX5D0

 

Laurinda Linda Linda

 

-Ó Laurinda, linda, linda!
És mais linda do que o sol!
Deixa-me dormir uma noite
Nas dobras do teu lençol.

 

-Sim, sim, cavalheiro, sim!

Hoje sim, amanhã não.

Meu marido não está cá
Foi à feira de Garvão.

 

-Onze horas, meia-noite
Marido à porta bateu.
Bateu uma, bateu duas
Laurinda não respondeu.

 

-Ou ela está doentinha
Ou já tem um novo amor
Ou então procura a chave
No fundo do corredor.

 

-De quem é este chapéu
Debruado a galão?
-É para ti, meu marido!
Fi-lo eu por minha mão."

 

-De quem é este casaco
Que ali vejo pendurado?
-É para ti, meu marido!
Que o trazes bem ganhado.

 

-De quem é este cavalo
Que na minha esquadra entrou?
-É para ti, meu marido!
Foi teu pai quem to mandou.

 

-De quem é este suspiro
Que ao meu leito se atirou?
Laurinda, que aquilo ouviu,
Caiu no chão, desmaiou.

 

-Ó Laurinha, linda, linda
Não vale a pena desmaiar.
Todo o amor que te eu tinha
Vai-se agora acabar!

 

-Vai buscar as tuas irmãs!
Trá-las toda num andor!
A mais linda delas todas
Há-de ser o meu amor."

 

Seven Drunken Nights
Sete Noites de Bebedeira
Versão portuguesa: Ana Sofia Paiva

 

Segunda-feira cheguei a casa
E já mal podia andar
Avistei um belo cavalo
Onde o meu havia de estar
-Com mil diabos! -disse eu,
Ó minha rica mulher
De quem é aquele cavalo
Não me queres lá tu dizer?

 

-Ó meu grande borrachão!
O vinho já te cegou?
É uma bela porquinha
Que a mãezinha me mandou!
-Mais de mil léguas andei
O mundo inteiro corri
Mas uma porca com sela
Foi coisa que nunca vi

 

Terça-feira cheguei a casa
E já mal podia andar
Avistei um belo casaco
Onde o meu havia de estar
-Com mil diabos! -disse eu,
Ó minha rica mulher
De quem é aquele casaco
Não me queres lá tu dizer?

 

Ó meu grande borrachão!
O vinho já te cegou?
É um belo cobertor
Que a mãezinha me mandou!
-Mais de mil léguas andei
O mundo inteiro corri
Mas botões num cobertor
Foi coisa que nunca vi

 

Quarta-feira cheguei a casa
E já mal podia andar
Avistei um belo cachimbo
Onde o meu havia de estar
-Com mil diabos! -disse eu,
Ó minha rica mulher
De quem é aquele cachimbo
Não me queres lá tu dizer?

 

-Ó meu grande borrachão!
O vinho já te cegou?
É uma bela gaitinha
Que a mãezinha me mandou!
-Mais de mil léguas andei
O mundo inteiro corri
Mas tabaco num gaitinha
Foi coisa que nunca vi

 

Quinta-feira cheguei a casa
E já mal podia andar
Avistei duas belas botas
Onde as minhas haviam de estar
-Com mil diabos! -disse eu,
Ó minha rica mulher
De quem são aquelas botas
Não me queres lá tu dizer?

 

-Ó meu grande borrachão!
O vinho já te cegou?
São duas belas jarras
Que a mãezinha me mandou!
-Mais de mil léguas andei
O mundo inteiro corri
Mas atacadores em jarras
Foi coisa que nunca vi

 

Sexta-feira cheguei a casa
E já mal podia andar
Avistei uma bela cabeça
Onde a minha havia de estar
-Com mil diabos! -disse eu,
Ó minha rica mulher
De quem é essa cabeça
Não me queres lá tu dizer?

 

-Ó meu grande borrachão
O vinho já te cegou?
É um belo menino
Que a mãezinha me mandou!
-Mais de mil léguas andei
O mundo inteiro corri
Mas um menino com barba
Foi coisa que nunca vi

publicado por José Pereira às 19:18

Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO