13
Mai 17

Tivemos mais uma Feira de Garvão.
Mais espectáculo, mais diversão, mais animação e mais transmissão televisiva.
Muito se poderia dizer sobre estas transmissões televisivas, verdadeiras máquinas de fazer audiências, vazios de conteúdo algum a não ser o sucesso financeiro dos acionistas em vez de uma programação virada para a elevação cultural dos tele-espectadores e consequentemente da população em geral.
De facto a Feira de Garvão, autêntico circo mediático, de onde de cima do palco os artistas do momento e do ocasião mandam beijinhos, e o povo, alienado, completamente extasiado, assobia e piropiteia, “ai és tão bela”, “és linda”, "casa comigo" e o baile vai rodando.
Mas por mais ridícula e degradante que seja a subversão da ideia de conhecimento, da realidade cultural local, da especificidade da própria feira, a divulgação mediática, no seu corrupio sensacionalista de atração desmesurada das massas, ao transmitir estes conteúdos alienígenas, subverte a natureza, a riqueza e a especificidade especial do próprio evento.
Não se trata de ser feirante sem ser espectador, ou atrair espectadores sem serem feirantes, o que se trata será do aproveitamento mediático em que tanto uns como outros são apanhados. As fragilidades sociais sobrepõem-se a qualquer outro interesse, a não ser a euforia de um momento efémero que tudo justifica e a tudo se impõe, sejam culturais, sejam históricas, sejam patrimoniais ou até mesmo comerciais.
Como ferramenta para embevecer e afastar os feirantes e a população em geral daquilo que deveria ser o interesse principal: a Feira de Garvão, claro que estes subterfúgios cumprem o seu objectivo, a alineação da população de outros temas mais enriquecedores, mais esclarecedores, mais educativos. A receita é conhecida de séculos, por quem procura fama, riqueza, influência e poder: mais festas, mais espectáculo e mais petiscos.
E, até nesta democracia virtual, se poderia compreender tal, se inovadora e promovida por quem colhe tais proveitos e não aproveitar um evento secular e histórico, desvirtuando-o e moldando-o a necessidades narcísicas.

publicado por José Pereira às 19:13

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO